Hoje vamos apresentar um texto onde mostra trabalhos de diferentes representações e neste poste vamos falar um pouco mais aprofundado de “7º Período da História da Educação Brasileira” mostrando seus pontos principais.

Os pontos principais da educação brasileira e os métodos, mostrando como pode ser aplicada na educação de crianças e jovens.

7º Período da História da Educação Brasileira (1937 – 1955)

Foi um período onde Getúlio Tomou uma série de medidas que visaram a formação de uma política educacional de alcance nacional.

Teve a Criação de órgãos educacionais: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos – INEP – 1938, Serviço nacional de radiodifusão educativa – 1939, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI – 1942, Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC – 1942, Conselho Nacional de Pesquisas – CNP – 1951, Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nivel Superior – CAPES – 1951.

Os Debates no Congresso Nacional e a Promulgação da Lei de Diretrizes e Bases

A primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional foi debatida e elaborada no contexto de redemocratização do país logo após a queda do Estado Novo (1937-1945). Foi promulgada somente em 1961, com o n° 4.024, e duas vezes reformulada: pela Lei nº 5.692/1971 e pela Lei nº 9.394/1996.

Resultado de imagem para Lei de Diretrizes e Bases da educação

No período que se seguiu, o projeto recebeu numerosas emendas e vários substitutivos, o mais importante dos quais foi apresentado por Carlos Lacerda em 1959, e continha mecanismos de transferência de recursos públicos para as escolas particulares.

A Política após 1964

Entre as medidas mais importantes, destacam-se: suspensão dos direitos políticos dos cidadãos; cassação de mandatos parlamentares; eleições indiretas para governadores; dissolução de todos os partidos políticos e criação de duas novas agremiações políticas: a Aliança Renovadora Nacional (Arena), que reuniu os governistas, e o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), que reuniu as oposições consentidas.

Vídeo Sobre a Promulgação da Lei de Diretrizes e Bases:

Reformas Educacionais – Leis 5540/68, 5692/71 e 7044/82

Tendo o Estado como o principal fomentador das políticas educacionais. Isto se observa nas propostas em relação a reforma da educação brasileira, a partir de 1930. Sucessivamente, a luta pela Escola Nova, a escola industrial e profissionalizante (SENAI, SESI, em 1942), a reforma de Capanema (1942), a primeira Lei de Diretrizes e Base (1961).

Imagem relacionada

A Reforma do Ensino Superior (1968) e de 1° e 2° graus (1971), até a institucionalização do Mobral (1967), têm procurado realizar o ajustamento da escola para a efetuação das funções caracterizadas como necessidades do modelo de desenvolvimento implantado.

Leis 5540/68, 5692/71 e 7044/82

LEI 5692/71 – Feita na época da ditadura militar; Universidade estão em confronto c/ poder estabelecido – Reforma do Ensino começou com a do Ensino Superior (Lei 5540/68). A política educacional instituída precisou adaptar o sistema educacional ao atendimento dos interesses da estrutura de poder edificada, propagando seu ideário, reprimindo seus opositores e reestruturando uma tripla função: a reprodução da força de trabalho, a conservação das relações de classes e a eliminação de um dos principais focos de dissenso político.

Vídeo Sobre as Reformas Educacionais:

O Pensamento Pedagógico

A história do pensamento pedagógico da Educação e Educação Física brasileira ao longo do século XX, o que irá ajudar na escolha de qual pensamento seguir e, posteriormente, traçar uma especificidade para Educação Física na escola.

Imagem relacionada

Cada um defende uma visão de homem e de mundo, sendo que o marco divisor entre os diferentes pensamentos é a tentativa de provar que não existe a neutralidade pedagógica, estando toda teoria educacional a serviço de uma classe. Vimos também que o pensamento pedagógico da Educação Física se fundiu ao da Educação com as pedagogias críticas dos anos 80, tendo grande influência na sua construção atual. Concluímos o trabalho compartilhando com os ideais das pedagogias críticas de formar indivíduos autônomos e capazes de reger sua própria vida, sem serem controlados pelo interesse do Estado, do comércio e da ciência, visando assim, à transformação social.

Vídeo Sobre O Pensamento Pedagógico:

O Progresso Constituinte e a Elaboração da Nova Lei de Diretrizes e Bases

Consequentemente, tal como poderemos objetivamente constatar ao longo do trabalho em questão, a carta constitucional de 1988 se constitui num notável progresso em matéria de proteção ao direito social á educação frente as que a precederam, uma vez que não apenas inovou na definição e concepção do direito de acesso ao ensino fundamental obrigatório e gratuito se afigura num direito público subjetivo e, portanto, num dever do poder público estatal em oferece-lo mas também dotou seus dispositivos referentes ao direito á educação da necessária coercibilidade ao revesti-lo da força coercitiva da sanção, no caso específico de descumprimento do Estado no oferecimento da referida modalidade de ensino aos cidadãos brasileiros.

Imagem relacionada

Essa realidade, é de fundamental relevância para o aprimoramento bem como para o aperfeiçoamento da legislação educacional brasileira, pelo simples fato de que, conforme poderemos constatar no decorrer do presente trabalho, a CF não somente favoreceu bem como estimulou consideravelmente a elaboração e formulação de um nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, a partir dos próprios avanços proporcionados pela carta de 1988, os quais por sua vez ensejaram a necessidade de se ampliar bem como aprofundar as conquistas obtidas pela constituição de 1988 em matéria educacional.

Elaboração da Nova Lei de Diretrizes e Bases

A principal divergência era em relação ao papel do Estado na educação. Enquanto a proposta dos setores organizados da sociedade civil apresentava uma grande preocupação com mecanismos de controle social do sistema de ensino, a proposta dos senadores previa uma estrutura de poder mais centrada nas mãos do governo. Apesar de conter alguns elementos levantados pelo primeiro grupo, o texto final da LDB se aproxima mais das ideias levantadas pelo segundo grupo, que contou com forte apoio do governo FHC nos últimos anos da tramitação.

Vídeo Sobre o Progresso Constituinte:

Aspectos Qualitativos e Quantitativos da Organização Escolar

Teve alguns A principal divergência era em relação ao papel do Estado na educação. Enquanto a proposta dos setores organizados da sociedade civil apresentava uma grande preocupação com mecanismos de controle social do sistema de ensino, a proposta dos senadores previa uma estrutura de poder mais centrada nas mãos do governo.

Imagem relacionada

Apesar de conter alguns elementos levantados pelo primeiro grupo, o texto final da LDB se aproxima mais das ideias levantadas pelo segundo grupo, que contou com forte apoio do governo FHC nos últimos anos da tramitação.

Vídeo Sobre os Aspectos Qualitativos e Quantitativos da Organização:

FIM

Chegamos ao fim de uma lista que foi recheada de conteúdos, e hoje falamos de 7º Período da História da Educação Brasileira com suas características. Se você gostou do assunto e do texto, compartilha nas redes sociais, e ajude a divulgar nossos trabalhos. Você também pode acessar as nossas redes sociais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.